A CARREGAR

Type to search

Jardim do Arco do Cego

O Jardim do Arco do Cego pode ser considerado exemplar face aos grandes desafios urbanos do Século XXI em termos de mobilidade. Toda a área se apresenta plana e contínua, não existindo sequer descontinuidades entre as vias e o relvado. Os caminhos são amplos, planos e com piso regularizado, sendo possível a circulação em cadeira de rodas nas vias principais. A implementação deste novo espaço representou uma requalificação das infraestruturas anteriormente destinadas ao terminal rodoviário de Autocarros (agora em Sete Rios) e obedeceu a duas fases muito claras, estando concluída a primeira. A primeira área, em pleno desenvolvimento em termos de flora apresenta um elevado número de utilizadores e corresponde a um espaço com cerca de 1 hectare, desafogado e plano, de acesso livre, rodeado por conjuntos de sebes arbustivas, circundadas por muros baixos. Foi mantida a contenção do espaço, de acordo com a tipologia do quarteirão existente. A segunda fase, corresponde à criação do Museu do Transporte da cidade de Lisboa dentro da estrutura principal da gare.

Localização: Limitado pelas ruas: Avenida Duque d`Ávila a Sul; a Rua de Dona Filipa de Vilhena a Este, a Av. João Crisóstomo a Norte e a Av. dos Defensores de Chaves a Oeste.

Freguesia: Nossa Senhora de Fátima 
  
Área: 1ha 
 
Equipamentos: Bebedouros, Bancos clássicos, Bancos de design (em pedra)
 
Fauna: Relativamente aos mamíferos, o Jardim do Arco Cego ainda não dispõe de abrigos suficientemente desenvolvidos, no entanto poderão de futuro fixar-se espécies como o Rato-do-campo (Mus musculus), que se esconde nos infinitos recantos de um subsolo característico de um jardim com muros e sebes, observando-se já o Morcego-anão (Pipistrellus pipistrellus), que se abriga nas árvores circundantes (ruas e avenidas próximas) e sótãos dos edifícios muito próximos. O jardim merece ainda algum destaque pela eventual fixação futura de répteis, uma vez que as áreas ensolaradas e os muros favorecem a sua sobrevivência.
 
Flora: Existe uma relativa diversidade vegetal (ainda em fase de desenvolvimento/crescimento, dominando o extracto herbáceo e arbustivo (relva e plantas de flor e aromáticas). Em termos de árvores, ainda muito jovens, desenvolvem-se rapidamente os Choupos-brancos (Populus alba) e as Olaias (Cercis siliquastrum). Como espécie arbórea mais emblemática, nesta primeira fase de desenvolvimento, destaca-se a Palmeira-das-canarárias (Phoenix canariensis).
 
Património Edificado e Artístico: Cobertura da gare/terminal. Estrutura original, em ferro forjado, da cobertura da antiga gare do terminal rodoviário   
 
Horário:  Aberto 24h 
 
Acessibilidades:  Autocarros (Carris): 16, 718, 720, 22, 726, 742, 767, 107, 203 rede da madrugada.; Metropolitano: Linha Amarela (Saldanha)

Fonte::CML

A REDACÇÃO do Portal do Jardim.com, conjuntamente com todos os seus contribuidores, prepara artigos e notícias do seu interesse, mantendo-o ao corrente do que se passa sobre o Jardim, em Portugal e no Mundo.

Tags:
Artigo anterior
Próximo artigo

1 Comments

  1. João Lima 26 de Agosto de 2018

    Pela segunda vez (alguém apagou o meu comentário anterior…): não se trata de Populus alba, mas sim de Populus nigra ou canadensis

    Responder

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Ir para o topo