A CARREGAR

Type to search

Lagarta do pinheiro já iniciou migração

A lagarta do pinheiro – também conhecida como processionária – iniciou a migração habitual e os relatos têm surgido um pouco por todo o país e também no concelho de Oleiros. O Serviço Municipal de Proteção Civil/Gabinete Técnico Florestal alerta então para a presença deste inseto e aconselha a tomada de medidas de precaução se encontrar lagartas de processionária: em área florestal (que não seja sua propriedade) afaste-se; em espaços públicos afaste-se; em escolas e outros locais onde estejam presentes crianças, impeça – sempre que possível – o seu acesso à zona das árvores atacadas; na sua propriedade, deve tomar as medidas necessárias e recomendadas para controlar. Em caso de aparecimento de sintomas de alergia consulte de imediato o posto médico mais próximo. Para além das crianças, os animais são os principais visados pelos ataques das temidas processionárias, e neste caso há que redobrar a atenção, porque as consequências podem ser fatais.

O nome processionária vem da procissão formada pelas lagartas quando abandonam a parte aérea da árvore e se dirigem para o solo, onde se enterram para iniciarem a fase de pupa que pode durar de 1 a 3 anos. No entanto, podem ser adotadas medidas de controlo pelos proprietários/gestores de árvores ameaçadas ao longo de todo o ano. De Janeiro a Maio deve proceder-se à destruição das lagartas em procissão e pupas no solo – aplicar cintas adesivas embebidas em cola à base de poli-isolbutadieno nos troncos das árvores para captura das lagartas aquando da procissão de enterramento, proceder à recolha manual e queima das lagartas encontradas no solo (cuidado com os pelos urticantes!) e por fim mobilizar o solo nos locais onde se suspeita de enterramento, para destruição das pupas. De junho a setembro devem instalar-se armadilhas iscadas com feromonas sexuais (1 a 3 por hectare), para captura de machos (borboletas). De setembro a outubro/novembro devem usar-se tratamentos bioquímicos, como inibidores de crescimento, hormonas de muda dos insetos e inseticidas microbiológicos à base de Bacillus thuringiensis (apenas eficaz no estado de ovo ou nos primeiros instares de desenvolvimento larvar 8-10 mm de comprimento) – até outubro; e também através de microinjeção no tronco (lagartas até 30 mm) – normalmente eficaz entre setembro e novembro. De outubro a dezembro deve proceder-se à remoção manual dos ninhos seguida de queima ou injeção de um inseticida piretróide de síntese nos ninhos (ação a executar durante o dia, quando as lagartas se encontram no ninho).

A REDACÇÃO do Portal do Jardim.com, conjuntamente com todos os seus contribuidores, prepara artigos e notícias do seu interesse, mantendo-o ao corrente do que se passa sobre o Jardim, em Portugal e no Mundo.

Tags:

Talvez goste deste artigo

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Ir para o topo