A CARREGAR

Type to search

Tags: ,

Dicas: a poda no Bonsai

A poda no Bonsai assume, acima de tudo, um objetivo estético, não querendo isto dizer que o aspeto da saúde da planta não seja contemplado. De facto, a arte do Bonsai procura conciliar o conhecimento profundo sobre a saúde da planta e potenciar e explorar o seu sentido e significado estético.

Desta forma, temos as seguintes técnicas para podar um Bonsai:

  • Trimagem – Poda de Manutenção

  • Foliar – Poda de Folhas

  • Arejamento – Poda de Renovação

  • Poda de Troncos e Ramos grossos

1. Trimagem – quando se pretende manter a forma do Bonsai, corta-se geralmente o excesso de crescimento (aquelas “pontas” que saem do desenho original) e os ramos as folhas possam ter aumentado muito de tamanho.

2. Poda foliar – técnica geralmente utilizada para diminuir o tamanho das folhas. No caso de folhosas caducas, como o acer por exemplo, pode-se fazer uma poda foliar parcial, para ajudar a diminuir o tamanho das folhas maiores. No caso das ficus (folhosa perene), esta técnica é geralmente feita na totalidade das folhas: para além de diminuir o tamanho de totas as folhas,  ajuda ainda a selecionar ramos a retirar para uma poda de arejamento.

3. O Arejamento – trata-se de uma poda a efetuar após um ou vários períodos de crescimento, nos quais se recorreu a uma poda de manutenção para controlar a forma do bonsai e o seu crescimento, de modo a simplificar a estrutura que entretanto se tornou mais complexa e demasiado densa. O objetivo é, então,  “arejar a estrutura”, isto é,cortar ramos de modo a promover a entrada de luz e ar nas estruturas mais internas da árvore, estreitar os ramos, retirar ramos podres e secos e corrigir erros na estrutura (ramos cruzados, ramos orientados para dentro, ramos irregulares).

Em plantas de folhas caducas, o arejamento é feito geralmente após a queda total da folhagem (entre o Outono e o Inverno); em planta de folhas perenes, após a paragem de crescimento (período de Inverno).

4. Poda de troncos e ramos grossos – técnica utilizada no início de uma obra (ao modelar um projeto para se tornar um exemplar com a estética do Bonsai) ou quando há vontade de alterar por completo o design de um Bonsai.

Embora os iniciados na Arte possam começar os seus trabalhos com duas ou três ferramentas básicas de corte, como seja uma tesoura e um alicate de corte, existem ferramentas específicas para a poda do Bonsai:

  • Alicates de Corte Côncavo

  • Alicates de Corte Angular

  • Tesouras de Poda Fina

  • Tesouras de Poda Foliar

  • Mini serras manuais

  • Faca afiada, ou Xizato

A pasta cicratizante é um outro elemento a ter em linha de conta quando se poda um Bonsai, de forma a, por um lado, proteger as feridas de agressões externas (sejam bactérias, insetos ou outros organismos prejudiciais à saúde da planta) e, por outro, permitir uma melhor cicatrização (fazendo com que o corte seja disfarçado com tecido novo de um modo agradável esteticamente adequado).

Autor: Gustavo Duarte, Professor de Educação Física e Preparador Físico

Como tantos outro aficionados, Conheceu a arte do Bonsai, a partir dos filmes do “Karate kid”, apesar de ter tido sempre uma curiosidade crescente em relação à cultura oriental, nomeadamente a cultura nipónica. No entanto, passaram alguns anos onde foi apenas observador destas chamadas árvores em miniatura e em Dezembro de 2002, foi-lhe oferecido o primeiro bonsai, da espécie Serissa, por uma amiga que tinha estado em Macau, desde então passou a devorar toda a informação existente sobre bonsai.

Em Novembro de 2003 tirou o seu primeiro curso de Bonsai de Nível I no Museu Bonsai de Sintra e em 2004 o Nível II. Desde 2004 tem sido visitante de algumas Exposições Internacionais, como o Noelanders Trophy, o extinto Ginkgo Award e o Congresso da EBA. Em 2006 Faz um Workshop de dois dias com Salvatore Liporace organizada por Maria João Simões do Centro de Jardinagem da Sobreda. Foi formador no Museu Bonsai de sintra e fez formação com Rui Ferreira do Jardim Bonsai de Tavira, bem como artistas emergentes do panorama Nacional, como Carlos Brandão, Márcio Meruje e Viriato Oliveira. Foi sócio fundador do Clube Bonsai Sintra, tendo pertencido aos orgãos sociais desde a sua oficialização até 2011. Tem atualmente cerca de 20 exemplares, tendo participado em várias exposições a nível associativo e também nos Congressos Nacionais da Federação Portuguesa de Bonsai.

Iniciado informalmente em 2003, o Clube Bonsai Sandô é um grupo de amigos de diferentes gerações, que têm em comum a paixão pela Arte do Bonsai.
É, desde Novembro de 2006, uma Associação sem Fins Lucrativos, atualmente com cerca de quatro dezenas de associados, que tem como principal objetivo promover e divulgar a arte e cultura do bonsai.
Para tal, o Clube aposta principalmente na troca de conhecimentos e na partilha de experiências no Bonsai, encontrando-se aberto a qualquer pessoa que queira participar, independentemente do seu nível de conhecimento na arte. Saiba mais no website e na página do facebook do clube.

Tags:

1 Comments

  1. Diúza 24 de Novembro de 2014

    Adorei as dicas do Blog , adoro bondai , há dois anos , mesmo sem conhecimentos dessa arte iniciei um bonsai de flamboian a partir de uma muda que encontrei em uma calçada , na época essa muda média uns quinze centímetros .
    Hoje com quarenta centímetros e cinco folhas , gostaria de saber como posso fazer a amarração . Ouvi de um bonsaista que essa espécie (flamboian) não da certo pra bonsai , será verdade ?

    Grata

    DG.

    Responder

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Ir para o topo