A CARREGAR

Type to search

Sementeira de plantas anuais e ornamentais em geral

Se queremos ter os nossos jardins floridos no verão, esta é uma boa altura para começarmos as nossas sementeiras. Contudo, e devido à incerteza do clima nesta altura do ano, o melhor é que as sementeiras sejam feitas no interior de uma estufa ou, se tiverem espaço, em casa  junto a uma fonte de luz natural.
 A luz do sol ajuda a proporcionar às nossas sementes a temperatura que elas necessitam para germinar e, assim que germinarem, esta também será fundamental para que as nossas plântulas comecem a fotossintetizar e a ganhar as reservas energéticas que necessitam para crescer de uma forma saudável.
Nós por cá começamos as nossas sementeiras em finais de Abril e início de Maio, e utilizamos uma bancada equipada com resistências elétricas que são depois cobertas por uma camada de um substrato poroso: a pedra-pomes. É uma solução mais profissional que nos permite acelerar o processo de germinação, visto que podemos regular a temperatura da bancada de acordo com o desejado. O normal é utilizarmos temperaturas que andam à volta dos 23-25ºC.
Se em casa tiverem algum quarto com uma fonte de calor como, por exemplo, um aquecedor elétrico, podem utilizar esse quarto para germinar as vossas sementes. Porém, tenham em atenção que assim que as sementes começarem a germinar têm de ser mudadas para uma zona exposta à luz solar.
Sementeira: 
Para a sementeira podem ser utilizados quaisquer tipos de recipientes desde que tenham alguma profundidade e boa drenagem.
Se ainda são iniciantes na prática da sementeira, aconselho que utilizem um substrato vegetal esterilizado, livre de sementes infestantes e com uma textura mais fina, própria para sementeiras, visto que existem substratos mais direcionados para o enraizamento, com texturas mais grossas, ou seja, substratos não tão decompostos. Hoje em dia, qualquer loja de jardinagem possui esse tipo de materiais.
Sementeira-de-plantas-anuais-e-ornamentais-em-geral-2

Claro que também podem utilizar qualquer tipo de solo existente no vosso jardim, principalmente se tiver uma boa percentagem de matéria orgânica que o torne menos compacto e, portanto, com uma melhor drenagem. Os solos resultantes da compostagem geralmente reúnem essas condições. No entanto, esse tipo de opções requerem mais alguma experiência porque a textura e composição do solo afectará posteriormente o correto desenvolvimento das plântulas, antes de serem transplantadas.

Há que ter em atenção o facto de as sementes necessitarem de humidade constante e não de encharcamento constante. Água em demasia pode causar o apodrecimento de muitas delas.

Sementeira-de-plantas-anuais-e-ornamentais-em-geral-3
Para a preparação das minhas sementeiras, independentemente do recipiente a utilizar, começo por colocar no fundo uma pequena camada de um material poroso (pedra-pomes, perlite ou até mesmo pequenas pedras), segue-se o enchimento do o vaso com o substrato próprio para sementeira e, antes de colocar as sementes, faço alguma pressão sobre o substrato, com a mão ou outro tipo de objeto, de forma a o nivelar e a criar, assim, as condições para que as sementes germinem todas ao mesmo tempo.
Se o solo não for nivelado antes de colocarem as sementes, provavelmente estas ficarão a profundidades diferentes e o tempo que demorarão até chegar à superfície será diferente.
 Sementeira-de-plantas-anuais-e-ornamentais-em-geral-4
Por fim, coloco as sementes, que devem espalhadas uniformemente, e cubro-as com uma quantidade de areia que varia consoante o tamanho da semente. Normalmente, as sementes devem ficar a uma profundidade idêntica à do seu tamanho. Se as enterrarem de mais, as reservas energéticas que a semente possui podem não ser suficientes para que as primeiras folhas cheguem à superfície.
Sementeira-de-plantas-anuais-e-ornamentais-em-geral-5
Sementeira-de-plantas-anuais-e-ornamentais-em-geral-6

A utilização da areia, como cobertura, facilita o cobrimento das sementes de uma forma uniforme e melhora, também, a drenagem da água resultante das regas à superfície dos vasos, o que facilita todo o processo de germinação. Para além disso, a areia é um bom indicador visual do teor de humidade no nosso recipiente. 

Sementeira-de-plantas-anuais-e-ornamentais-em-geral-7

Sementeira-de-plantas-anuais-e-ornamentais-em-geral-8

 

IMG_7547

Sementeira-de-plantas-anuais-e-ornamentais-em-geral-9

Transplantação:
Na maioria dos casos, as plântulas estão prontas para transplantação quando apresentam as folhas primárias.
Cuidados a ter:
– Há que ter cuidado no retirar as plântulas do vaso,  evitando, ao máximo, danificar as raízes;
– Não se devem segurar as plantas pelos caules, mas sim pelos cotilédones (as primeiras “folhas” que surgem);
Sementeira-de-plantas-anuais-e-ornamentais-em-geral-10
– Não pressionar demasiado o solo à volta das plantas para não danificar as raízes. A rega encarregar-se-á de aconchegar o solo às raízes.
– As regas devem ser efetuadas de manhã ou ao final do dia, e nunca em períodos de muito sol ou calor.
Cuidados acrescidos: 
– Durante as sementeiras há que proteger as nossas sementes de problemas como os ratos e  pássaros, e convém não esquecer que as nossas jovens plântulas são um belo petisco para pragas como os caracóis, lesmas e lagartas.
Sementeira-de-plantas-anuais-e-ornamentais-em-geral-11
Sementeira-de-plantas-anuais-e-ornamentais-em-geral-12
Boas sementeiras!
* Os conselhos dados aplicam-se à maioria das sementes de anuais e plantas ornamentais com que trabalho, contudo existem muitas outras sementes cuja germinação depende condições e métodos de sementeira diferentes.

 

Carina Amaral Costa, com 29 anos, é natural da Ilha de São Miguel, Açores.
Concluiu, na Universidade dos Açores, uma licenciatura e mestrado em Agronomia, e desempenha as funções de Eng. Agrónoma no Parque Terra Nostra desde 2012.
Colabora com o Portal do Jardim dando largas ao gosto pela escrita e pela partilha de conhecimentos.
Promete, mensalmente, relatar o seu quotidiano num dos parques mais ricos a nível botânico, abordando conteúdos sobre plantas, técnicas de jardinagem utilizadas, problemas fitossanitários e respetivos tratamentos. Todavia, e perante tamanha diversidade existente no local onde trabalha, os conteúdos a abordar são ilimitados.

Tags:

3 Comments

  1. Júlia Lopes 12 de Junho de 2015

    Linguagem simples, acessível mesmo a quem tenha fracos conhecimentos destes assuntos.

    Responder
  2. Carina Costa 30 de Junho de 2015

    Obrigada Júlia! É mesmo essa a intenção.

    Responder
  3. Naldo Costa 30 de Outubro de 2015

    Muito bom…boas dicas de fácil compreendimento até para os mais leigos no assunto…assim como eu, é claro……

    Responder

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Ir para o topo