A CARREGAR

Type to search

Saramagos Raphanus raphanistrum Crucífera/Brassicáceas

Este é o nome popular dado a uma das Crucíferas muitos comuns entre nós, abundante nas bermas de caminhos, nas hortas, terrenos baldios ou no meio das searas.

É considerada uma “erva-daninha” também conhecida por cabestros, rabano-silvestre, rábano-bastardo ou ineixa. As suas folhas muito ricas em vitaminas e sais minerais constituem uma excelente hortaliça que podemos cozinhar com vários pratos, apenas a vapor com azeite e sal, são verdadeiramente deliciosas e nutritivas.

Convém usar apenas as mais jovens e tenras pois rapidamente se tornam fibrosas e amargas. As suas flores brancas de quatro pétalas inteiras em forma de cruz podem ser também consumidas, tal como todas as outras flores desta extensa família: rábanos, nabos, couves, beterrabas, rabanetes, mostarda (ver artigo de agosto).

Infelizmente caiu um pouco em desuso por estarem associados a tempos de pobreza e escassez em que as pessoas eram obrigadas a recorrer á plantas silvestres para se alimentarem. É uma planta muito resistente, cujas flores surgem no fim do inverno, que constituindo uma fonte de néctar importante para as abelhas que a adoram.

FERNANDA BOTELHO nasceu em Tojeira/Sintra em agosto de 1959.
Aos 18 anos viaja para Londres onde estuda antroposofia e plantas medicinais e pedagogia Montessori.
Fez o curso de guia de jardim botânico com a Alexandra Escudeiros e gostou tanto que repetiu no ano seguinte.
Apaixonada por jardins botânicos, é frequentadora assídua de Kew gardens. Absorve o que vê, fotografando e escrevendo.
Publica anualmente desde 2010 agendas de plantas medicinais, três livros infantis “Salada de flores” “Sementes à solta” e “Hortas aromáticas”. “As plantas e a saúde, guia de remédios caseiros”. É colaboradora do programa Eco-escolas desenvolvendo projetos de plantas medicinais e hortas sustentáveis nos espaços escolares com professores e alunos.
É convidada regular da RTP 1, organiza passeios botânicos e dá workshops sobre plantas medicinais.
Blogue Malva Silvestre.

Tags:

2 Comments

  1. Rozair Ferreira 24 de Agosto de 2014

    É muito bom ler sobre coisas boas e essa é uma delas.Obrigada.

    Responder
  2. Anabela ferreira 11 de Fevereiro de 2016

    Gosto muito de aprender sobre plantas silvestres comestiveis (também gosto de aprender sobre plantas em geral); o saber não ocupa lugar

    Responder

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Ir para o topo