A CARREGAR

Type to search

Para desintoxicar o organismo

As labaças ( Rumex crispus L.) pertencem á família das Poligonáceas, existem mais de 200 espécies do género Rumex, Rumex, Rumex obtusifolius, de folha mais larga,  Rumex acetosa também conhecida por erva azeda ou espinafre limão, ou sorrel em inglês e  oseille em francês.

É uma planta vivaz, nativa da Europa e África, cresce espontânea um pouco por todo o lado, em lameiros, terrenos incultos, beiras de caminhos, searas, tornando-se muitas vezes invasora e difícil de erradicar devido às suas raízes profundas

Pode atingir 1 metro de altura, apresenta caule floral rígido e robusto, folhas alternas com nervuras centrais avermelhadas, raiz espessa, rugosa e amarela ao corte, daí o seu nome inglês ser também yellow dock. Cheiro acre e sabor amargo.

Esta planta silvestre tem tanto interesse fito terapêutico como culinário, para fins terapêuticos utilizam-se tanto as folhas como as raízes e para fins culinários somente as folhas.

A sopa de labaças com grão era um prato comum na dieta dos árabes, mencionada num tratado antigo como calmante para o estômago. No Alentejo é ainda hoje muito comum a sopa de labaças com feijão.

São ainda conhecidas pelo nome de catacuzes, ruibarbo-selvagem ou paciência aquática.

Componentes

Rica em ferro, cálcio, vitamina C, taninos, fósforo, antraquinonas, flavonóides (quercetina) e ácido oxálico.

Propriedades

Segundo a teoria das assinaturas (Paracelso 1493-1541 d.C.) as labaças com pintas vermelhas nas folhas eram utilizadas como depurativo do sangue, as labaças crespas de folhas e raízes amarelas eram utilizadas para tratar problemas hepáticos.

As labaças crescem normalmente junto das urtigas e são um bom antídoto para as picadas das mesmas quando esfregada na pele.

São úteis no tratamento de anemia, desintoxicação do organismo, ligeiramente diurética, prisão de ventre, indigestão, absorção deficiente de vitaminas, fraca tolerância a gorduras, fígado preguiçoso, icterícia ligeira e pele quente com prurido, vários problemas de pele como eczema, psoríase, acne inflamações do aparelho respiratório, gânglios linfáticos cronicamente inchados.

Nos dias quentes pode colocar uma folha de labaça nos sapatos para manter os pés frescos.

Em uso externo as folhas são úteis para tratar picadas de insectos, queimaduras solares e outras, com uma acção refrescante e cicatrizante.

Tinturaria

Das folhas do Rumex acetosa, obtém-se um bonito amarelo limão, verde ou castanho.

Culinária

Para além da conhecida sopa de catacuzes pode também utilizar as folhas do Rumex acetosa ou erva-azeda em saladas, molhos e omeletas, não devendo no entanto usar em excesso devido à alta concentração em ácido oxálico, as pessoas com problemas de ósseos, ou distúrbios renais, devem utilizar apenas doses terapêuticas ou não utilizar.

Tags:
Artigo anterior
Próximo artigo

7 Comments

  1. ana maria pinto ribeiro 29 de Novembro de 2010

    bastante interessante mas não sei se conseguirei identificar a planta .

    Responder
  2. Maria Lucinda Roque 14 de Junho de 2011

    Fico feliz por saber que não sou a única que reconhece algumas propriedades destas plantas assim cá vai mais uma: o chá destas ervas são excelentes para a diarreia limpam e regularizam os intestinos, também é muito bom para purificar o sangue. A senhora do comentário anterior tem dificuldade em identificar a planta, pois dir-lhe-ei que é uma planta inconfundível, aparece normalmente em terrenos frescos e arejados (selvagens).

    Responder
  3. Susana Caldeira 8 de Agosto de 2011

    Falta referir um dos componentes e propriedades mais importantes: o resveratrol, a raiz desta planta é 100 vezes mais rica em resveratrol que o vinho, um poderoso composto anti-envelhecimento e anti-cancro, em vez dos 2 copinhos de vinho tinto ao dia recomendados mais valia duas a tres saladinhas ou chas desta planta e sempre evitariamos a recomendação ao alcool, que agora serve de desculpa.

    Responder
  4. Manuela Lacerda 26 de Abril de 2012

    Para aproveitar as vantagens das raizes como as devo consumir?Tenho tentado conhecer plantas comestiveis e alternativas, mas só com o contacto das pessoas mais velhas. Lá me vou safando.

    Responder
  5. Fernanda 20 de Abril de 2013

    Obrigada pelos esclarecimentos. Pois tenho a quinta quase infestada de labaças e de soagem (echium plantagineum). Alguém sabe se a soagem tem alguma utilidade? Pois disseram-me que os italianos comiam as folhas tenras.

    Responder
  6. Maria Isaura Frostne 30 de Maio de 2013

    Obrigada pela descricão da planta. Parece-me que há aqui na Suécia. Se houver vou Fazer a sopa de catacuzes

    Responder
  7. João Cano 7 de Fevereiro de 2019

    Eu tenho saudades das sopas de feijão com labaças que minha mãe fazia.Agora julgo não ser capaz de reconhecer a plata e atém nem sei se aqui no Entroncamento onde moro exista.

    Responder

Deixe o seu comentário ana maria pinto ribeiro Cancelar comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Ir para o topo